quarta-feira, 9 de julho de 2008

LUZIR




Aos que amam

há minha mão em concha,

Traga-me.

Dê-me.

Aceito um bocado.


Aos de sede

Água joga-se:

chuva

aguando

a espera solo

do barro derramado.



Poema da currais-novense Luciene Danvie que lhe rendeu uma menção honrosa no 4° Concurso de Poesias Zila Mamede. Para conhecer mais do seu talento literário, visite o Silêncio da Boca... É lindo!

Um comentário:

luma carvalho disse...

essa menina lu, que não é cara de tatu, adoro ela, sabia?

ela e teus versos...

beijos na boca
com sabor de "poesia"

luciana
luma
lua